Apêndice II

#ricardobarreto #culturadevalor #valores #valor #cultura #aforismos #ciclodaculturadevalor #curvadevalor #avaliaçãodevalores #autoavaliação

Determinação da curva de valor

            Vimos primeiramente como determinar os três diferentes tipos de valores (esperado, percebido e real). Isto se aplica a avaliações de circunstâncias pontuais como, por exemplo, o valor da “felicidade” numa festa de aniversário…

            Vejamos, agora, como traçar a sua própria “curva de valor” que contempla os principais valores em múltiplas interações e num período mais longo (ex. 1 ano). Este procedimento serve para sabermos como somos “percebidos” pelas pessoas com que convivemos e de alguma forma estamos conectados.

            Só existe uma forma fidedigna de cumprirmos com essa importante missão e requer método, tal como o empregado nos departamentos de recursos humanos das empresas. São realizadas consultas, via questionários orientados, aos nossos diversos públicos de relacionamento, incluindo nós mesmos!  

            É preciso saber como nossos familiares, amigos, parceiros de academia e colegas de trabalho, aqueles com quem interagimos no dia a dia, nos avaliam em termos dos valores conscienciais, tanto no plano físico como no plano sutil. Só assim, teremos uma fotografia mais clara de onde estamos em termos de valores humanos e poderemos traçar um plano para o desenvolvimento daquelas características que mais precisamos melhorar.

            São três os passos para uma consulta estruturada, a saber:  

                1. Seleção das pessoas;

                2. Avaliação dos valores;

                3. Construção da curva de valor.

Seleção das pessoas

            Alguns critérios devem ser respeitados para que você obtenha êxito na seleção representativa das pessoas. Antes de qualquer coisa é preciso fazer uma lista daquelas com as quais você mais convive, nos diferentes ambientes que frequenta: casa, trabalho, escola, academia, igreja, etc. Uma dica: escolha os nomes ao acaso à medida que surgirem em sua mente. Tente obter uma lista de pelo menos cinco nomes de cada ambiente.

Figura 1. Lista de pessoas por ambiente de convívio.

            Olhe agora para esta lista e procure ordená-la de acordo com a quantidade de tempo que você interagiu com cada uma destas pessoas no último ano. Isto porque quanto mais tempo você se relacionou com elas, maiores são as chances de elas terem uma percepção mais apurada dos seus valores…

            Uma dica: não confunda quantidade de interações com intensidade (ou a carga emotiva) das interações… Faz-se mister aqui evitar o viés da afinidade ou repulsa neste processo de seleção. Claro que sempre existirão casos em que os tipos de interações se confundirão, mas não podemos induzir isto propositalmente.

Figura 2. Lista ordenada por ambiente de convívio.

    Interessante observar, neste caso, que os ambientes de convívio se restringem basicamente à casa, escola e rede social na internet. E que os melhores amigos da escola não são necessariamente os mesmos do Facebook…

Você está, enfim, apto para concluir o processo de seleção. Escolha ao menos duas pessoas de cada ambiente que você mais frequenta, respeitando a ordem de quantidade de interações. Recomenda-se que sejam escolhidas no máximo doze pessoas como um todos.

Avaliação dos valores

            Antes de iniciar, não se esqueça de fazer a sua auto avaliação, respeitando uma escala de 0 a 5 pontos que representa como você se enxerga com relação a cada um dos principais valores da sua existência física, ou sutil, se preferir.

Figura 3. Escala de avaliação das pessoas.

Procure enriquecer sua auto avaliação com exemplos de casos típicos que pesaram significativamente nas notas aplicadas. Estes comentários normalmente são lembranças que vêm naturalmente em nossa mente durante a avaliação de cada um dos valores.

Figura 4. Auto avaliação de valores sutis.

            Finalmente, você deverá contatar cada uma das pessoas selecionadas para explicar que está construindo sua “curva de valor” e gostaria de contar com um pouquinho do tempo delas para preencherem um formulário de avaliação.

    É muito importante que você explique pessoalmente qual é o propósito desta avaliação e combine de encaminhar o formulário por email para a pessoa se sentir mais à vontade para o preenchimento em seu tempo livre.

    Dê um prazo longo (algumas semanas). Caso a pessoa não responda neste período, encaminhe um lembrete e aguarde por mais 1 semana. Se ainda assim não obtiver resposta, não insista. Cada um tem suas prioridades e devemos respeitá-las. Passe para a próxima pessoa da lista.

Construção da curva de valor

            Depois de receber os formulários preenchidos, compile as notas e comentários das avaliações numa mesma tabela e aplique uma média simples das avaliações de cada valor. Compare então as notas obtidas com as da sua autoavaliação. Aplique novamente uma média simples entre estes valores. Terás, então, as notas finais.

Figura 5. Avaliação de valores sutis.

    Para concluir a construção da sua curva de valor só falta agora plotar as notas finais na forma gráfica para facilitar a visualização.

Figura 6. Exemplo de curva de valor.

    Ao analisar sua curva de valor ficará evidente quais são os seus valores que precisam ser desenvolvidos. Neste caso específico os valores da paz e felicidade mereceriam especial atenção. Você poderá então estabelecer um plano de desenvolvimento, constando ações que visem prioritariamente o desenvolvimento destes valores.

    Com o passar do tempo (normalmente após 5 ou 10 anos) é recomendável que atualize sua curva de valor com o intuito de avaliar como está sua evolução. Se estiver estagnado, é sinal de que precisa rever seu plano porque não está gerando resultados práticos.          

    Trocando em miúdos: não tem havido nenhuma melhora da sua percepção de valor pelas pessoas com quem você se relaciona. E isto é sinal de que precisa mudar mais radicalmente algum aspecto do seu “ciclo de cultura de valor”.

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME II – CULTURA DE VALOR: aforismos para uma vida plena

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *