Conclusão inteligência de valor

#ricardobarreto #inteligênciadevalor #valor #inteligência

Espero que a leitura deste livro tenha despertado no leitor ou leitora minimamente a necessidade premente de conhecer um pouco mais a fundo o universo que se descortina com a inteligência artificial aplicada em todos os aspectos da nossa vida!

Organizações empresariais como o Google, Bloomberb, Amazon, LinkeIn, NetFlix, Reuters, Facebook, entre tantas outras gigantes da indústria da tecnologia, entretenimento e informação, são as “coqueluches” desses novos tempos que valorizam muito mais os dados gerados pelo comportamento dos seus usuários do que qualquer outra coisa…

Não são só as empresas na liderança da economia mundial que estão mudando, mas sobretudo o perfil de experimentação organizacional. Quem ouvia falar de Instagram uns 10 ou 15 anos atrás? Hoje é a tecnologia que impera para o sucesso das organizações temporárias e inovadoras chamadas de startups.

Estas costumam surgir da visão e talento dos seus cofundadores nerds, mas quando devidamente capitalizadas e profissionalizadas tornam-se colossos com tentáculos em quaisquer aplicações possíveis e imagináveis, desde a medicina diagnóstica até a erradicação do problema da água potável em países pobres e semiáridos!

As relações de trabalho também estão em franca transformação desafiando os modelos até então explorados, altamente dependentes de contratos formais e escopo rígido de atividades. Vimos que os hackers são atores cada vez mais presentes e nem sempre com a visão perjorativa que temos deles…

Domenico de Masi nos ensinou que o ócio é vital à criatividade que por sua vez impulsiona irreversivelmente a inovação,1 sem falar das ferramentas de growth hacking que estão promovendo uma verdadeira disrupção no marketing digital e criação das redes de valor. Após ler o capítulo sobre inteligência digital, alguém ainda tem dúvida sobre o papel das redes sociais nesse movimento?  

            Com tanta novidade assim, nos diferentes âmbitos da vida humana, não poderiam faltar grandes pensadores como o historiador israelense Yuval Harari nos apontando para eclosão de uma nova categoria de ser humano: o Homo Deus.2 Sim, deixamos de ser Homo Sapiens e passamos a ser os próprios criadores de “seres inteligentes” que podem ser totalmente inorgânicos!   

            Por trás da revolução da inteligência artificial estão os algoritmos. São eles que rivalizam a “criação divina” ao instituir as regras lógicas capazes de tomar praticamente qualquer decisão automática. John MacCormick identificou bem cedo a importância do público leigo tomar ciência desse conceito e nos brindou com um ranking dos nove algoritmos que revolucionaram o século XXI (pelo menos a sua primeira década):3

  1. Indexação dos mecanismos de busca;
  2. Rankiamento de webpages;
  3. Criptografia por chaves;
  4. Códigos para correção;
  5. Reconhecimento de padrões;
  6. Compressão de dados;
  7. Bancos de dados;
  8. Assinaturas digitais;
  9. Autoprogramas.

Claro que vários outros algoritmos importantes eclodiram na sequência, desde os avanços para direção autônoma até os simuladores de resultados dos processos eleitorais, mas estes sem sombra de dúvidas lançaram as bases para muito do que estamos vendo hoje e ainda do que está por vir.

Neste livro apresentamos um método denominado “inteligência de valor” que pode ser útil caso você não seja um “ás da programação”, mas deseje sistematizar de alguma forma suas próprias rotinas decisórias. Lembre-se que um algoritmo nada mais é do que:

Uma receita precisa que especifica a sequência exata de passos necessários para solucionar um problema.

            Aprendemos, assim, a identificar alguns dos padrões importantes nas seáras da inteligência digital, científica, tecnológica e de mercado. Estes foram os campos que senti necessidade de avançar com maior racionalidade. No Apêndice deixo ao leitor o procedimento que segui para desenhar a maioria dos algoritmos de relevância apresentados.

             Assim como o neurocientista Daniel Levitin,4 vejo um futuro peculiar para as “mentes organizadas” que souberem fazer jus aos dados massivos que estão disponíveis publicamente. Só espero que a nova religião que se nos apresenta, o dataísmo, não nos leve ao extremo oposto que pode vir a ser ainda mais nocivo que os percalços do humanismo.

            Cathy O´Neil faz o alerta para as novas Armas de Destruição em Massa (ADMs) que são os algoritmos! Diariamente temos assistido inúmeras vítimas que têm ficado de fora do mercado de trabalho, sem acesso ao crétito, seguradoras ou até mesmo do sistema educacional por causa da frieza dos algoritmos muitas vezes imprecisos e injustos.5

Por isso quero encerrar este livro com um apelo: que nunca deixemos de lado a inteligência humana, capaz de ter sentimentos e compaixão nas decisões mais duras da vida que são aquelas que realmente fazem toda diferença…

Ricardo de Lima Barreto

Valinhos, outono de 2022

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME I – INTELIGÊNCIA DE VALOR: algoritmos para boas decisões

Saiba mais: 

1. De Masi, D. O Ócio Criativo, Rio de Janeiro: Sextante, 328 p., 2000.

2. Harari, Yuval Noah, Homo Deus: uma breve história do amanhã, 1a ed., São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

3. MacCormick, John, Nine algorithms that changed the future, the ingenious ideas tha drive today´s computers, Princeton University Press, New Jersey, 2012.

4. Daniel J. Levitin, The organized Mind, Dutton: New York, 2014, p. 231. 

5. O´Neil, Cathy, Algoritmos de destruição em massa: como a big data aumenta a desigualdade e ameaça a democracia, 1a ed. Editora Rua do Sabão, Santo André, SP, 2020.

Algoritmos de inteligência de mercado

#ricardobarreto #inteligênciadevalor #valor #inteligência #inteligênciademercado #inteligênciacompetitiva #algoritmos #algoritmosdeinteligência #algoritmosdeinteligênciademercado

Como todo “sistema de recomendação”, para o caso da inteligência de mercado não poderia ser diferente… São algoritmos os atores principais a nos guiar sobre a relevância de toda e qualquer transação comercial ao redor do mundo.

Já vimos que tanto as matérias-primas como os produtos acabados de uma empresa, independente do segmento de mercado, podem e devem ser monitorados visando obter alguma vantagem competitiva do ponto de vista da “assimetria informacional”.

No entanto, ainda não desbravamos a estatística que está por trás dessas da formuletas matemáticas que podem nos revelar os níveis de preços, portos de destino, novos competidores e até mesmo o portfólio de produtos de algumas empresas.

Comecemos entendendo o “observatório de inteligência de mercado”. Verás como os dados disponíveis gratuitamente vão muito além do que imaginamos!

Observatório de inteligência de mercado

Foi ao trabalhar numa grande empresa brasileira de commodities que tive o pivilégio de tomar contato com a inteligência de mercado.  Dali em diante senti a necessidade de desenvolver uma ferramenta mais prática para sistematizar minhas consultas às bases de dados de mercado que passaram a ser cada vez mais frequentes…

Nesse verdadeiro repositório eu poderia manter registrados todos os dados mais relevantes de cada uma das transações de mercado, desde informações primárias como volume, comercialização e preço, até dados mais específicos, econômicos ou de infraestrutura sobre os países envolvidos, estados e cidades de destino.

Ninguém poderia imaginar que a informação das transações correntes de um país no último ano, aliado ao número de intervenções de comércio internacional “danosas” afetando o país declarante, segundo o Globa Trade Alert, pudesse ser um parâmetro tão relevante no rankiamento das transações comerciais.

Figura 1. Observatório de inteligência de mercado.

Nem tampouco você se daria conta de que as questões logísticas dos portos de destinos, tais como o número de navios atracados no momento do registro na base ou o número de ramificações rodoviárias entrando e saindo da cidade de destino pudesse interferir na capacidade exportadora e importadora de uma determinada região.

Figura 2. Algoritmos para o scoring de relevância de países, cidades e transações.

Competidores de mercado

Ao visualizar o estado do Mato Grosso pelo Google Mapas em busca da melhor cidade para instalar uma filial de distribuição de fertilizantes para um grande grupo Sul Coreano fabricante de fertilizantes que acabou de lhe contratar para iniciar as operações no Brasil, alguma dúvida de que a cidade de Rondonópolis vai saltar aos olhos logo de cara?!

Portanto, o primeiro passo para que sua empresa seja bem-sucedida no seu mercado de atuação é a sua localização. Mesmo que você tenha um negócio online, existem inúmeros fatores críticos de sucesso que se devem pontuar para que ele seja de fato competitivo.

Não se trata somente da logística de inbound e proximidade do mercado consumidor. Deve-se avaliar os recursos humanos necessários ao core business, as fontes de matérias-primas, a regulamentação ambiental, entre tantos outros “senões” que tornam a escolha geográfica demasiado complexa, dependendo do segmento de atuação.

Imagine, por exemplo, uma empresa que produz cápsulas de vitamina ômega 3. É sabido que são compostos de ácidos graxos extraídos do óleo de peixes de água profunda. Alguma dúvida de que os países com vasta extensão litorânea têm uma vantagem competitiva avassaladora sobre os demais? Mas não se trata só disso. Mesmo que o Japão seja rodeado de mar por todos os lados, uma legislação proibitiva com relação à pesca predatória de peixes de águas profundas em determinadas épocas do ano pode inviabilizar o negócio! Talvez águas peruanas sejam muito mais interessantes… Mas será que o Global Trade Alert não me frustará?!

Bem, espero que após conhecer os mecanismos que estão por trás do design dos algoritmos de inteligência de mercado, você possa ir além das análises “rasas” que se pautam tão somente pelo tamanho dos mercados ou custo logístico. Há, evidentemente, um arcabouço de questões políticas, socioeconômicas, ambientais e estruturais que devem estar muito bem pautadas e na mesa antes de qualquer tomada de decisão para o investimento de alguns milhões ou bilhões de dólares…

Independente das pretensões comerciais, num mundo cada vez mais repleto de dados os algotritmos de inteligência de mercado ganham cada vez mais importância. Se não estivermos atentos aos padrões que possam intervir no mercado internacional, certamente seu competidor irá! E não se iluda: isso pode representar o fim da sua vantagem competitiva ou até mesmo a ruína do seu negócio. Mas você não vai deixar que isso aconteça, certo?!

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME I – INTELIGÊNCIA DE VALOR: algoritmos para boas decisões

Decidindo eventos com inteligência de mercado

#ricardobarreto #inteligênciadevalor #valor #inteligência #inteligênciademercado #inteligênciacompetitiva #documentosdeinteligência #documentosdeinteligênciademercado #análisedemercado #monitoramentodemercado #prospecçãodemercado

Quem não conhece seu mercado está fadado a ser engolido por ele! Esta é, sem sombra de dúvidas, uma máxima do mundo de negócios. Não há como sobreviver no longo prazo, seja qual for o segmento, sem conhecer muito bem a estrutura do mercado, concorrência, posicionamento estratégico, etc.

Tais questões devem permear toda e qualquer decisão do corpo diretor das corporações. São fundamentais ao planejamento estratégico, direcionando todos os planos operacionais que promovem a sustentação e o crescimento do negócio. No entanto, é nas pequenas decisões, aquelas do dia a dia, que se pode colher ou comprometer os resultados.

Quem nunca ouviu falar daquele jargão de que para vender bem é preciso comprar bem?! Pois é. Parece tão óbvio, mas na prática muito comprador sênior não faz a menor ideia de como negociar bem hoje em dia… Foi-se o tempo em que poder de barganha se tratava de ter uma boa lábia! Hoje o verdadeiro “poder” reside na assimetria informacional.

Ganha o “jogo” quem conhece melhor o “valor” daquilo que está sendo negociado… É isso! E só a inteligência de mercado é capaz de nos revelar tais nuâncias.

A falácia da margem de contribuição

Muito do sucesso de uma empresa perpassa pela correta formação de preços dos seus produtos e serviços. Não é preciso apelar para técnicas de precificação complexas que levam em conta a elasticidade da relação entre oferta e demanda, nem tampouco os parâmetros macroeconômicos e dados setoriais em sofisticadas equações que acabam mais atrapalhando do que verdadeiramente ajudando…

O método que funciona de fato é muito simples. Basta calcular o valor justo que cubra minimamente os custos para fabricação dos produtos ou serviços, bem como as despesas e obrigações (impostos e juros) da empresa, de modo a sobrar algum dinheiro que possa ser chamado propriamente de lucro por aqueles que investiram seu capital na companhia.

Acontece que não é qualquer margem que justifica uma boa venda… Mesmo positiva, se a margem não contribuir minimamente para arcar com suas obrigações e despesas, não tardará para a empresa se endividar e entrar numa situação difícil. Só assim poderá ser chamada verdeiramente de “margem de contribuição”!

A solução tem via dupla, mas em ambos os casos a inteligência de mercado pode contribuir decisivamente. Através da consulta às bases de dados de mercado, pode-se descobrir o histórico de preços internacionais e traçar tendências, explodindo os aumentos de custos de cada uma das matérias-primas para criar o embasamento técnico que justifique tanto a negociação das matérias-primas com fornecedores como o reajuste de preços com os clientes.

Observe que você pode ir além! Pode-se, por exemplo olhar como anda o nível de preços dos produtos que o seu próprio cliente vende e das matérias-primas que ele utiliza. Assim, você saberá antecipadamente se ele também está aumentando seus preços e, claro, se é o momento certo para espremê-lo ou não numa mesa de negociação… Capiche?!

Santa concorrência perfeita

Todo aquele que já fez um MBA que se preze, bem como estudou com afinco qualquer livro de economia ou estratégia de negócios, já ouviu falar das preciosas “economias de escala”. Nem é preciso de muito esforço para inferir algo tão óbvio: quanto mais eu compro ou vendo, maior o volume a ser negociado e, claro, maior será o desconto dado ou requerido!

Pois é. Acontece que nem sempre a coisa funciona tão linearmente assim. E só a inteligência de mercado pode nos dar uma “pista” do que pode estar acontecendo… São situações atípicas para mercado pulverizados, regionais e competitivos, no entanto muito comuns em grandes empresas de tecnologia monopolistas ou fabricantes de commodities que enfrentam oligopólios.

Vejam o mercado mundial de fertilizantes de potássio. Sabe-se que a “oferta” é limitada a alguns poucos países com reservas minerais gigantescas como Ucrânia, Canadá e Rússia, ao passo que a “demanda” é crescente em todos os países com agricultura forte como o Brasil.

Tal relação de dependência, devido à assimetria dos recursos, quebra o “poder” de negociação das economias de escala de forma muito evidente… Infelizmente, nestes casos não adianta ameaçar não comprar mais KCl do Putin com prêmio de USD 50/Ton porque ele não vai pensar duas vezes antes de te riscar da lista e passar para o próximo país comprador e com muito prazer, diga-se de passagem!     

Com estes poucos exemplos espero que já tenha ficado mais claro ao leitor que a inteligência de mercado deve fazer parte das ferramentas de rotina de toda equalquer organização, desde a fase de orçamentação para o próximo ano até nas negociações mais decisivas do seu time Comercial.

Vimos o “porquê” e agora vamos abordar o “como” que estas decisões podem ser tomadas.

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME I – INTELIGÊNCIA DE VALOR: algoritmos para boas decisões

A prática da Raja yoga

#ricardobarreto #culturadevalor #valores #valor #cultura #aforismos #yoga #rajayoga #kriyayoga #ParamahansaYogananda #SwamiVivekananda

Muitos são os caminhos que podem nos levar à prática da Raja yoga… No ocidente, certamente não podemos considerar a mera curiosidade, nem tampouco a busca dos aflitos que precisam de algo para se apoiarem. Não. A Raja yoga não satisfaz tais anseios.

Sua prática brota, outrossim, de um anseio natural pela auto iluminação. É bem distinto dos caminhos materiais onde a busca é exterior. Independente da facilidade oriunda da origem cultural, como no seu país de origem (a Índia), desperta nas consciências quando se extingue a necessidade da busca por respostas e aceita-se que tudo de que necessitamos para evolução já se encontra dentro de nós mesmos. Todo o restante vem como consequência!

Foi mais ou menos assim que aconteceu comigo… E pude perceber que algo semelhante se passou com todos os que conheci neste meio. Vamos às recomendações práticas, lembrando que não existe uma fórmula única. Cada um deverá encontrar “aquela” que lhes traz os melhores resultados. E estejam certos de que estes virão com rapidez e polpudos em todos os aspectos da sua existência!

Doravante, não poderia deixar de citar duas referências que foram marcantes no fortalecimento dessa busca. Primeiramente a obra pioneira de Swami Vivekananda que foi um dos primeiros iogues que levaram a prática da Raja yoga ao conhecimento do público ocidental ainda no século XIX, inclusive inspirando alguns dos “papas” da psicanálise.1

Ademais, assim como Paulo de Tarso foi o grande propagador do cristianismo nos seus primórdios, Paramahansa Yogananda também o foi ao revelar a profundidade dos segredos mais profundos da yoga nos Estados Unidos. Esta foi a sua missão, revelada ainda em tenra idade pelo seu guru Sri Yukteswar. Sua autobiografia é talvez a obra mais bela que já li sobre a busca da auto iluminação.2     

Vamos propor aqui um método simples com sessões diárias para iniciação na Raja yoga, observando os sete valores que compõem o Ciclo da Cultura de Valor apresentado neste livro. Consideremos, antes de mais nada, as seguintes recomendações:

  • Sessão: 30 a 60 minutos sempre na primeira e última hora do dia;
  • Ambiente: arejado, penumbra e silencioso (som suave opcional);
  • Preparo: sentado, relaxado e com a coluna ereta;
  • Guru: eleja um guru (seu tutor espiritual);
  • Mestre espiritual: sua(s) referência(s) para autorrealização.  

Não necessariamente o guru precisa estar encarnado, muito embora a presença de espírito seja um atributo marcante. O mais importante é que seus ensinamentos estejam disponíveis através de livros e dos seus seguidores diretos ou indiretos. No meu caso, elegi Paramahansa Yogananda, e acompanho ativamente as publicações e atividades da Sociedade de Autorrealização, entidade que ele mesmo fundou em 1920.

A escolha do Mestre espiritual normalmente se dá pela fé religiosa: Jesus para os Cristãos, Krishina para os Hinduístas, Buda para os Budistas e assim por diante. Eu, como iogue ocidental e admirador da cultura oriental, preferi manter os três Mestres espirituais em minhas sessões de meditação: Krishina, Buda e Cristo. As escrituras sagradas de todos os cânones compõem meus estudos para iluminação.     

Abaixo transcrevo as 7 sessões iniciáticas que pratico diariamente (o refúgio matinal e vespertino pode ser o mesmo lugar, desde que seja idealizado por você no plano astral com tanta riqueza de detalhes que o torne vivo em sua mente):

SESSÃO 1: segundas-feiras (valor do PODER)

1. Entoe o mantra Ohm;

2. Concentre-se no ponto de luz entre suas sobrancelhas;

3. Visualize seu Guru e Mestre(s);

4. Pratique Zazen por alguns minutos (ou concentração mindfullness);

5. Circule a Kundalini pela cervical (visualize a cor VERMELHA no 1o chakra);

6. Pratique os exercícios de energização 1 a 5 (Kryia yoga);

7. Projeção lúcida para seu refúgio matinal e vespertino.

SESSÃO 2: terças-feiras (valor do PROSPERIDADE)

1. Entoe o mantra Ohm;

2. Concentre-se no ponto de luz entre suas sobrancelhas;

3. Visualize seu Guru e Mestre(s);

4. Pratique Zazen por alguns minutos (ou concentração mindfullness);

5. Circule a Kundalini pela cervical (visualize a cor LARANJA no 2o chakra);

6. Pratique os exercícios de energização 6 a 10 (Kryia yoga);

7. Projeção lúcida para seu refúgio matinal e vespertino.

SESSÃO 3: quartas-feiras (valor do PUREZA)

1. Entoe o mantra Ohm;

2. Concentre-se no ponto de luz entre suas sobrancelhas;

3. Visualize seu Guru e Mestre(s);

4. Pratique Zazen por alguns minutos (ou concentração mindfullness);

5. Circule a Kundalini pela cervical (visualize a cor AMARELA no 3o chakra);

6. Pratique os exercícios de energização 11 a 15 (Kryia yoga);

7. Projeção lúcida para seu refúgio matinal e vespertino.

SESSÃO 4: quintas-feiras (valor da PAZ)

1. Entoe o mantra Ohm;

2. Concentre-se no ponto de luz entre suas sobrancelhas;

3. Visualize seu Guru e Mestre(s);

4. Pratique Zazen por alguns minutos (ou concentração mindfullness);

5. Circule a Kundalini pela cervical (visualize a cor BRANCA no 4o chakra);

6. Pratique os exercícios de energização 16 a 20 (Kryia yoga);

7. Projeção lúcida para seu refúgio matinal e vespertino.

SESSÃO 5: sextas-feiras (valor da VERDADE)

1. Entoe o mantra Ohm;

2. Concentre-se no ponto de luz entre suas sobrancelhas;

3. Visualize seu Guru e Mestre(s);

4. Pratique Zazen por alguns minutos (ou concentração mindfullness);

5. Circule a Kundalini pela cervical (visualize a cor VERDE no 5o chakra);

6. Pratique os exercícios de energização 21 a 35 (Kryia yoga);

7. Projeção lúcida para seu refúgio matinal e vespertino.

SESSÃO 6: sábados (valor do AMOR)

1. Entoe o mantra Ohm;

2. Concentre-se no ponto de luz entre suas sobrancelhas;

3. Visualize seu Guru e Mestre(s);

4. Pratique Zazen por alguns minutos (ou concentração mindfullness);

5. Circule a Kundalini pela cervical (visualize a cor AZUL no 6o chakra);

6. Pratique os exercícios de energização 26 a 30 (Kryia yoga);

7. Projeção lúcida para seu refúgio matinal e vespertino.

SESSÃO 7: domingos (valor da FELICIDADE)

 1. Entoe o mantra Ohm;

 2. Concentre-se no ponto de luz entre suas sobrancelhas;

3. Visualize seu Guru e Mestre(s);

 4. Pratique Zazen por alguns minutos (ou concentração mindfullness);

 5. Circule a Kundalini pela cervical (visualize a cor VIOLETA no 7o chakra);

 6. Pratique os exercícios de energização 31 a 36 (Kryia yoga);

 7. Projeção lúcida para seu refúgio matinal e vespertino.

Saiba mais:

1 Swami Vivekananda, Raja Yoga, Lexington, USA, 2016.

2. Yogananda, Paramahansa, Autobiografia de um Iogue, Self-Realization Fellowship, 3a ed. brasileira, 2013.

A prática da hatha yoga

#ricardobarreto #culturadevalor #valores #valor #cultura #aforismos #yoga #hathayoga #ProfessorHermógenes #B.K.S.Iyengar

Como todo exercício físico, a prática da hatha yoga deve ser rápida, de fácil execução e com resultados observáveis no curto, médio e longo prazo. Qualquer coisa diferente disso, resulta na euforia inicial seguida do desinteresse e abandono no decorrer de poucas semanas…

Que o leitor tenha em mente que a prática da hatha yoga, independente da modalidade, é um estilo de vida! Alguns a confundem, inadvertidamente, com religião ou esporte. Ledo engano…

Deve ser tomada como algo que nos conecta ao Criador, mantendo nosso equilíbrio físico, mental e espiritual, justamente o que a medicina moderna tanto apregoa… Não é à toa que muitos hospitais conceituados, como o Massachusetts General Hospital nos EUA e no Brasil o Albert Einstein, são adeptos da indicação da hatha yoga e mindfullness conjugadas como terapia complementar no tratamento de inúmeras doenças.

            Isto posto, vamos direto à prática, lembrando que as séries indicadas a seguir são especialmente voltadas para iniciantes, sendo a leitura das referências dos mestres iogues Hermógenes (brasileiro) e B.K.S. Iyengar (indiano) fundamental para que possam avançar pelos exercícios, bem como aulas com professores habilitados, caso desejem passar aos exercícios de grau de dificuldade mais elevada.95a-c

Importante frisar que cada um pode montar sua própria série personalizada. No meu caso, fui bem cauteloso por causa das limitações em termos de alongamento do corpo. Escolhi exercícios com grau de dificuldade menor (de 1 a 3) e fui aumentando gradativamente a complexidade ao longo das séries.

Notem que sempre começo todas as séries com uma introdução que compreende a pose em prece (pg. 368)95c e o mantra OM (3 vezes), visando estabelecer a conexão iniciak com o Criador. Eis mais algumas recomendações aos neófitos antes das séries propriamente ditas:      

  • Ambiente: claro, arejado, amplo, colchonete, silencioso ou som de meditação;
  • Prática diária: segunda a segunda antes das refeições por cerca de 30 minutos;
  • Nível inicial: 7 séries de 7 exercícios (1 pranayama + 6 asanas)

SÉRIE 1: segundas-feiras

1. Sopro Ha,95a p. 124, 3 vezes;

2. Supta-Ardha-Gorakshásana,95c p. 359, 1 vez somente;

3. Dança do elefantinho,95c pg. 341, 1 min.;

4. Saudação ao sol,95a p. 135, 1 vez somente;

5. Meia postura da árvore,95a p. 175, até fadiga;

6. Símbolo do yoga,95a p. 148, até fadiga;

7. Pose da foice,95a p. 190, até fadiga.

SÉRIE 2: terças-feiras

1. Ativação do diafragma,95a p. 105, aprox. 1 min;

2. Postura da árvore,95a p. 177, até fadiga;

3. Grande símbolo,95a p. 152, 1 vez de cada lado;

4. Pose do leão,95a p. 206, 3 vezes;

5. Pose da foice,95a p. 190, 1 vez somente;

6. Pose sobre os ombros,95a p. 191, até a fadiga;

7. Parighasana,95b p. 85, 30 segundos de cada lado.

SÉRIE 3: quartas-feiras

1. Limpeza dos pulmões,95a p. 105, 5 repetições;

2. Símbolo do yoga,95c p. 347, 3 repetições de cada lado, respiração ritmada (1:1:2);

3. Supta-Ardha-Gorakshásana,95c p. 359, 1 repetição, respiração controlada;

4. Pose da lua,95c p. 351, 1 repetição de cada lado, até fadiga;

5. Pose da pinça,95c p. 353, 1 repetição, respiração ritmada (1:2:1);

6. Pose da cobra, ref. 3, p. 356, respiração ritmada (1:2:1);

7. Utkatásana,95b p. 88, 30 segs.

SÉRIE 4: quintas-feiras

1. Respiração polarizada,95a p. 117, 3 cada lado, olhos fechados;

2. Torção da chama,95c p. 361, 3 vezes;

3. Purnásana,95c p. 363, 3 repetições;

4. Pose da palmeira,95c p. 365, 3 repetições;

5. Folha dobrada,95c p. 379, tempo livre;

6. Dolásana (seguido do ex. 7),95c p.381, até a fadiga;

7. Salabhāsana,95b p. 99, até a fadiga.

SÉRIE 5: sextas-feiras

1. Respiração polarizada,95a p. 117, 3 cada lado, olhos fechados;

2. Rolamento da cabeça,95c p. 388, 3 em cada sentido;

3. Nitambhásana,95c p. 385, 1 de cada lado, direita primeiro;

4. Garudásana,95b p. 97, 15 a 20 seg. e inverte;

5. Meia pode gafanhoto,95a p. 166, 1 vez somente;

6. Pose do diamante,95a p. 143, 1 vez somente;

7. Pode do herói,95a p. 144, 1 vez somente.

SÉRIE 6: sábados

1. Respiração diafragmática,95b p. 405, 20 repetições;

2. Saudação à lua,95b p. 120, 30 segs.;

3. Siddahasana,95b p. 116, perna esquerda primeiro depois direita até aguentar;

4. Arohanásana,95c p. 383, até aguentar;

5. Pode da cegonha,95a p. 155, 1 vez somente;

6. Baddha konasana,95b p. 128, 30 segs.;

7. Balanço,95c p. 377, alguns segundos até parar.

SÉRIE 7: domingos

1. Respiração completa,95a p. 111, 3 repetições;

2. Virabhadrásana I,95b p. 69, 20 a 30s e inverte;

3. Pose revirada,95a p. 164, 1 vez somente;

4. Chaturanga dandāsana,95b p. 104, 30 + 30 seg,;

5. Ardha navāsana,95b p. 112, 20 seg.;

6. Pose do arco,95a p. 162, 1 vez somente;

7. Pose do peixe,95a p. 165, 1 vez somente.

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME II – CULTURA DE VALOR: aforismos para uma vida plena

Saiba mais:

95a. Hermógenes, Autoperfeição com hatha yoga, 50a ed., Rio de Janeiro: Nova Era, 2009.

95b. B. K. S. Iyengar, Light on yoga, Schocken Books, New York, 1979.   

95c. Hermógenes, Yoga para nervosos, 50a ed., Rio de Janeiro: BestSeller, 2015. Medical Association Journal, 174(6), 801-809.

Recomendando informações com inteligência de mercado

#ricardobarreto #inteligênciadevalor #valor #inteligência #inteligênciademercado #inteligênciacompetitiva #documentosdeinteligência #documentosdeinteligênciademercado #análisedemercado #monitoramentodemercado #prospecçãodemercado

Preparados para mais um vislumbre da importância dos documentos de inteligência? Chegamos ao cerne do que buscávamos: os documentos de inteligência de mercado! Mas para quê preciso de tantos dados e informação para fazer algo tão simples?!

Além do produto, é claro, o mundo dos negócios só faz sentido se houver 2 atores muito importantes: de um lado alguém querendo comprar e do outro alguém querendo vender. Acontece que, invariavelmente, há mais de um comprador ou vendedor e uma quantidade finita de produtos para atendê-los… Qual o efeito desse dilema?

É a famosa equação de oferta e demanda que “apimenta” toda a brincadeira das transações comerciais que, no jargão da inteligência de mercado, chamamos de pricing. Detalhe importante: para sobreviver neste ambiente de competitividade voraz, é preciso saber escolher muito bem o seu posicionamento no mercado.

Eis o papel dos documentos de inteligência de mercado! Analise, prospecte e monitore. Você não vai se arrepender…

Análises de mercado

Vamos imaginar que, economicamente, seu país depende quase que exclusivamente da exportação de produtos agrícolas para manter o nível do câmbio e sobreviver no comércio global… Qualquer semelhança, não é mera coincidência!

Imagine agora o seguinte cenário: há uma forte crise energética mundial e os preços dos fertilizantes nitrogenados dispararam. Trocando em miúdos: para cada US$ 100 de soja exportada, há uma perda de margem de US$ 7 por conta da uréia que disparou mais de 470% no período inferior a 1 safra! Alguém tem noção de quantos milhões (ou melhor, bilhões) isso representa em nossa balança comercial?! Posso dizer, sem medo de errar, que boa parte da população ficaria um pouco mais pobre…

Sabedor das suas responsabilidades, claro, o ministro da economia se antecipa e solicita aos seus assessores um estudo estratégico sobre quais países deveria isentar a alíquota de importação para cobrir este rombo de rentabilidade dos produtores de soja. Bingo! Eis aí o papel perfeito para uma análise de mercado que apresente uma listagem dos países com esforços de comercialização em determinado segmento de mercado. Veja abaixo a resposta ao minitro.

Figura. Exemplo de análise de mercado para o segmento de fertilizantes.

Monitoramento de mercado

Aqui o foco são os seus competidores diretos. Mais especificamente os documentos de monitoramento de mercado se propõem a varrer a literatura mundial e nacional atrás das transações comerciais que representem movimentos estratégicos que possam representar uma ameaça real à sua participação de mercado. Vejamos um exemplo concreto ainda no segmento de fertilizantes que é tão importante para o nosso país!  

O primeiro passo é a seleção dos “produtos similares”, ou seja, aqueles com uma proposta de valor e/ou atributos semelhantes aos seus produtos mesmo que em aplicações distintas… Veja bem. Aqui estamos tratanto especificamente do fertilizante fosfatado superfosfatos simples, muito conhecido pela sigla SSP (NCM 31031010) e com a peculiaridade de ser rico no nutriente complementar enxofre.

Ao buscar pela sua família de produtos com NCMs parecidos, observamos uma série de outros produtos mais concentrados em fósforo (ex. TSP, ou superfosfato triplo) ou um misto em fósforo e nitrogêncio (exs. MAP e DAP) que sabidamente acabam por deslocar a demanda em algumas culturas específicas… E o pior é que praticamente todo o DAP é importado, desprestigiando assim o SSP fabricado no mercado local e, mais uma vez, afetando nossa já tão desvalorizada balança comercial!

Prospecção de mercado

Aqui que mora o perigo! Como tudo na vida, o que mais assusta mesmo, chegando a tirar o sono daqueles que gostam de procurar manter o controle e prever tudo, sempre é o famigerado desconhecido… É nessa categoria que se encontram os “produtos substitutos”. São eles que definem as fronteiras dos mercados adjacentes e, como tal, podem ser definidos como algo totalmente inusitado em termos de proposta de valor e/ou atributos.

No caso do SSP, chegou-se a uma conclusão tão estapafúrdia quanto imprevisível (pelo menos aos olhos de alguns dos produtores): que a sua própria matéria-prima (no caso uma rocha fosfática), quando selecionada a dedo (uma rocha sedimentar com capacidade de liberação controlada dos elementos em solos ácidos), poderia representar, de fato e cientificamente comprovada, um produto literalmente superior, com destaque para grandes culturas brasileira com a pastagem que cobre boa parte do nosso território.

Foi assim que se identificou um “entrante” neste mercado (a empresa Cibrafértl) que importava recorrentemente este tipo de rocha pelo porto de Camaçari e passou-se a monitorar o seu histórico de preços mês a mês durante 5 anos, identificando tendências e auxiliando na tomada de decisão para o pricing.      

Finalmente, apenas olhando estes poucos exemplos de um único segmento de mercado, podemos já ter ao menos um vislumbre do poder da inteligência de mercado voltada para tomada de decisão estratégica dentro das organizações.

Não importa o tamanho, se a empresa é nacional o multinacional, se comercializa commodities ou tecnologia, seja uma startup do Vale do Silício ou uma mineradora de carvão na Autralia, todas precisam estar atentas ao mercado, mundial e nacional, se quiserem prevalecer nos ambientes altamente competitivos que estão inseridas!

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME I – INTELIGÊNCIA DE VALOR: algoritmos para boas decisões

Apêndice II

#ricardobarreto #culturadevalor #valores #valor #cultura #aforismos #ciclodaculturadevalor #curvadevalor #avaliaçãodevalores #autoavaliação

Determinação da curva de valor

            Vimos primeiramente como determinar os três diferentes tipos de valores (esperado, percebido e real). Isto se aplica a avaliações de circunstâncias pontuais como, por exemplo, o valor da “felicidade” numa festa de aniversário…

            Vejamos, agora, como traçar a sua própria “curva de valor” que contempla os principais valores em múltiplas interações e num período mais longo (ex. 1 ano). Este procedimento serve para sabermos como somos “percebidos” pelas pessoas com que convivemos e de alguma forma estamos conectados.

            Só existe uma forma fidedigna de cumprirmos com essa importante missão e requer método, tal como o empregado nos departamentos de recursos humanos das empresas. São realizadas consultas, via questionários orientados, aos nossos diversos públicos de relacionamento, incluindo nós mesmos!  

            É preciso saber como nossos familiares, amigos, parceiros de academia e colegas de trabalho, aqueles com quem interagimos no dia a dia, nos avaliam em termos dos valores conscienciais, tanto no plano físico como no plano sutil. Só assim, teremos uma fotografia mais clara de onde estamos em termos de valores humanos e poderemos traçar um plano para o desenvolvimento daquelas características que mais precisamos melhorar.

            São três os passos para uma consulta estruturada, a saber:  

                1. Seleção das pessoas;

                2. Avaliação dos valores;

                3. Construção da curva de valor.

Seleção das pessoas

            Alguns critérios devem ser respeitados para que você obtenha êxito na seleção representativa das pessoas. Antes de qualquer coisa é preciso fazer uma lista daquelas com as quais você mais convive, nos diferentes ambientes que frequenta: casa, trabalho, escola, academia, igreja, etc. Uma dica: escolha os nomes ao acaso à medida que surgirem em sua mente. Tente obter uma lista de pelo menos cinco nomes de cada ambiente.

Figura 1. Lista de pessoas por ambiente de convívio.

            Olhe agora para esta lista e procure ordená-la de acordo com a quantidade de tempo que você interagiu com cada uma destas pessoas no último ano. Isto porque quanto mais tempo você se relacionou com elas, maiores são as chances de elas terem uma percepção mais apurada dos seus valores…

            Uma dica: não confunda quantidade de interações com intensidade (ou a carga emotiva) das interações… Faz-se mister aqui evitar o viés da afinidade ou repulsa neste processo de seleção. Claro que sempre existirão casos em que os tipos de interações se confundirão, mas não podemos induzir isto propositalmente.

Figura 2. Lista ordenada por ambiente de convívio.

    Interessante observar, neste caso, que os ambientes de convívio se restringem basicamente à casa, escola e rede social na internet. E que os melhores amigos da escola não são necessariamente os mesmos do Facebook…

Você está, enfim, apto para concluir o processo de seleção. Escolha ao menos duas pessoas de cada ambiente que você mais frequenta, respeitando a ordem de quantidade de interações. Recomenda-se que sejam escolhidas no máximo doze pessoas como um todos.

Avaliação dos valores

            Antes de iniciar, não se esqueça de fazer a sua auto avaliação, respeitando uma escala de 0 a 5 pontos que representa como você se enxerga com relação a cada um dos principais valores da sua existência física, ou sutil, se preferir.

Figura 3. Escala de avaliação das pessoas.

Procure enriquecer sua auto avaliação com exemplos de casos típicos que pesaram significativamente nas notas aplicadas. Estes comentários normalmente são lembranças que vêm naturalmente em nossa mente durante a avaliação de cada um dos valores.

Figura 4. Auto avaliação de valores sutis.

            Finalmente, você deverá contatar cada uma das pessoas selecionadas para explicar que está construindo sua “curva de valor” e gostaria de contar com um pouquinho do tempo delas para preencherem um formulário de avaliação.

    É muito importante que você explique pessoalmente qual é o propósito desta avaliação e combine de encaminhar o formulário por email para a pessoa se sentir mais à vontade para o preenchimento em seu tempo livre.

    Dê um prazo longo (algumas semanas). Caso a pessoa não responda neste período, encaminhe um lembrete e aguarde por mais 1 semana. Se ainda assim não obtiver resposta, não insista. Cada um tem suas prioridades e devemos respeitá-las. Passe para a próxima pessoa da lista.

Construção da curva de valor

            Depois de receber os formulários preenchidos, compile as notas e comentários das avaliações numa mesma tabela e aplique uma média simples das avaliações de cada valor. Compare então as notas obtidas com as da sua autoavaliação. Aplique novamente uma média simples entre estes valores. Terás, então, as notas finais.

Figura 5. Avaliação de valores sutis.

    Para concluir a construção da sua curva de valor só falta agora plotar as notas finais na forma gráfica para facilitar a visualização.

Figura 6. Exemplo de curva de valor.

    Ao analisar sua curva de valor ficará evidente quais são os seus valores que precisam ser desenvolvidos. Neste caso específico os valores da paz e felicidade mereceriam especial atenção. Você poderá então estabelecer um plano de desenvolvimento, constando ações que visem prioritariamente o desenvolvimento destes valores.

    Com o passar do tempo (normalmente após 5 ou 10 anos) é recomendável que atualize sua curva de valor com o intuito de avaliar como está sua evolução. Se estiver estagnado, é sinal de que precisa rever seu plano porque não está gerando resultados práticos.          

    Trocando em miúdos: não tem havido nenhuma melhora da sua percepção de valor pelas pessoas com quem você se relaciona. E isto é sinal de que precisa mudar mais radicalmente algum aspecto do seu “ciclo de cultura de valor”.

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME II – CULTURA DE VALOR: aforismos para uma vida plena

Apêndice I

#ricardobarreto #culturadevalor #valores #valor #cultura #aforismos #ciclodaculturadevalor #valoresperado #valorpercebido #valorreal #valordafelicidade #felicidade

Detalhamos aqui algumas das ferramentas apresentadas neste livro, visando impulsionar a geração de valor consciencial.

Determinação de valor esperado

            Comecemos definindo algum valor específico que você gostaria de realizar a sua autoavaliação. Usando o mesmo exemplo empregado na Introdução, vamos tratar aqui do valor da “felicidade”.

            Vimos que o “valor esperado” é aquele em que cada um estabelece uma inferência estatística, baseada nas suas próprias observações, sobre a frequência e o impacto com que gera determinado tipo de valor no dia a dia.

            Digamos que, em cada 100 circunstâncias de encontros sociais, familiares e profissionais, você acredita (isto mesmo, uma crença porque via de regra o “valor esperado” é significativamente distinto do “valor percebido”) que gerou o valor da felicidade em 50% deles. Desenhando isto numa análise típica de quadrantes, temos:

Figura 1. Análise de valor esperado.

            Isto quer dizer que, muito provavelmente, numa escala 0 a 5, sua autoavaliação sobre este valor específico da felicidade, seria algo em torno de 2,5.

Determinação do valor percebido

            Imagine agora que, numa espécie de enquete com 50 das 1.000 pessoas com quem você efetivamente interagiu nestes 100 encontros, apenas 5 (ou 10%) enxergaram de fato este valor em você. Teríamos então o seguinte quadro:

Figura 2. Análise de valor percebido.

            Notem que, na média, sua avaliação entre elas necessariamente está deslocada para o lado negativo (menor que 2,5), ficando possivelmente bem próxima de 1,0.

            Isto é, portanto, o que chamamos de “valor percebido”, aquilo que os outros enxergam sobre você dentro de certo espaço amostral. Importante observar que, segundo os conceitos estatísticos, quanto maior o espaço amostral, maior a precisão dessa medida.

Determinação do valor real

            Então, aplicando-se o modelo bayesiano que prevê o procedimento de atualização e validação das inferências (sua autoavaliação contra a avaliação dos outros), temos o que mais se aproximaria do seu “valor real” de felicidade, ou seja, algo entre 1,0 e 2,5, ou muito próximo de 2,0. Teríamos, mais propriamente, a seguinte análise de quadrantes para este caso:

Figura 3. Análise de valor real.

            Seria como se fizéssemos o teste com todas as 1.000 pessoas com quem você interagiu. Note como existem circunstâncias dúbias, ou seja, ocorreram casos em que você não gerou valor de felicidade e algumas pessoas entenderam que sim (100 entre 600), ou algo como 17% dos casos. Por outro lado, também houve casos em que você gerou de fato valor, mas este não foi entendido como tal (100 entre 400), ou 25% de incidência.

            Este tipo de análise estatística é muito interessante porque nos mostra como o pensamento consciente pode influenciar no fluxo do subconsciente e vice-versa… Mais um motivo para buscarmos o pleno domínio dos pensamentos e não ficar a mercê dos domínios do nosso subconsciente.

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME II – CULTURA DE VALOR: aforismos para uma vida plena

Corpo consciente

#ricardobarreto #culturadevalor #valores #cultura #aforismos #ciclodaculturadevalor #corpo #saúde #qualidadedevida #corpoconsciente #vidaconsciente #consciência #HathaYoga #ProfessorHermógenes

A inércia, ou inapetência, é a maior inimiga do corpo consciente. De nada adianta arrumar uma desculpa para si ou para o seu médico… Fato é que a prática contínua de atividades físicas pode sim prevenir a ocorrência de diversas doenças crônicas e, consequentemente, mortes prematuras. Pelo menos é o que indica uma série de estudos científicos a respeito.1

            Os benefícios se dão, mais propriamente, por diversos efeitos fisiológicos, dentre os quais destaca-se aqui a melhoria do funcionamento do sistema imunológico. Evidências mostram que até mesmo alguns tipos de câncer podem ser sinalizados e contidos logo no início por conta do melhor desempenho autoimune.2   

Não é preciso ser um “superatleta”. Uma breve caminhada de apenas 30 minutos, quando praticada com frequência, já é o suficiente.3 Pessoa comuns, com uma jornada de trabalho de mais de 8 horas, ainda arrumam tempo para ir à academia quase todo santo dia… E aí reside outro grande problema: quando se esvai o maior objetivo que é a saúde e não o culto ao corpo!

Muitos, sem sequer perceberem, na verdade estão levando uma vida fútil, frívola, sem um propósito maior… E o resultado, invariavelmente, é um só: crise de estresse, depressão profunda, pânico!!

Vamos então propor uma terapêutica simples. Não precisa ser médico para estimular as boas práticas que melhoram a saúde e qualidade de vida. Mas lembrem-se, antes de mais nada, de pesquisarem sobre o Prof. Hermógenes: o pioneiro da Hatha Yoga no Brasil.

Se é a cabeça que já não anda funcionando como antes, pode esticar um pouquinho mais a soneca (uns 40 minutinhos já é o suficiente), três vezes por semana, e propiciar um aumento do tamanho do hipocampo, melhorando a memória.4 Ou ainda, se estiver adentrando na terceira idade, vai evitar as deficiências da senilidade devido ao estímulo do fluxo sanguíneo para o cérebro que ocasiona o aumento do tamanho do córtex pré-frontal e melhora o controle motor, da memória e do pensamento crítico.5

    Quando se trata da saúde do corpo físico, não adianta de nada atuar em qualquer etapa do ciclo de cultura de valor, seja reprogramando suas crenças ou cultivando pensamentos positivos, se você não fizer também a sua parte com relação aos mecanismos mais essenciais que regem a saúde do nosso corpo. Dores crônicas são capazes de tirar qualquer um do sério!

    Uma atitude consciente, segundo a ótica aqui abordada, perpassa pela conciliação de uma vida ativa fisicamente com uma vida igualmente ativa dentro das nossas mentes. Só assim você terá uma “intervenção mente-corpo” realmente efetiva, galgando os valores mais sutis de poder, prosperidade, pureza, paz, verdade, amor e felicidade. Não há outra forma de alimentar o espírito, senão pelo equilíbrio dessas duas dimensões da nossa existência física e sutil.

            Não vejo outra definição melhor para um “ser altruísta” que não aquele que gera estes valores em base contínua e os distribui a tudo e a todos que convive. E espero, caro leitor, que o ciclo da cultura de valor tenha se figurado como um meio para esta busca. Boa sorte nesta jornada!!

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME II – CULTURA DE VALOR: aforismos para uma vida plena

Saiba mais:

1. Warburton, D. E. et. al. (2006) Health benefits of physical activity: The evidence. Canadian Medical Association Journal, 174(6), 801-809.

2. Friedenreich, C. M. (2001) Physical activity and cancer prevention from observational to intervention research. Cancer Epidemiology Biomakers & Prevention, 10(4), 287-301.

3. Bassuc, S. S. et al. (2013) Why exercise works magic. Scientific Americam, 74-79.

4. Erickson, K. I. et. al. (2011) Exercise training increases size of hippocampus and improves memory. Proceedings of the National Academy of Sciences, 108(7), 3017-3022. Pereira, A. C. et al. (2007), An invivo correlate of exercise induced neurogenesis in the adult dentate gyrus. Proceedings of the National Academy of Sciences, 104(13), 5638-5643.

5. Calcombe, S. J. et al. (2006) Aerobic exercise training increases brain volume in aging humans, The Journals of Gerontology Series A: Biological Sciences and Medical Sciences, 61(11), 1166-1170. Calcombe, S. J. et. al. (2004), Cardiovascular fitness, cortical plasticity, and aging. Proceeding of the National Academy of Sciences, 101(9), 3316-3321.

Nutrição consciente

#ricardobarreto #culturadevalor #valores #cultura #aforismos #ciclodaculturadevalor #nutrição #nutriçãoconsciente #vidaconsciente #consciência #consciênciaanimal #vegetarianismo

Confesso que até pouco tempo atrás eu nunca tinha parado para refletir com maior seriedade sobre o tema. Além de bom gourmet, até debochava daqueles que faziam uma opção alimentar mais restritiva, seja qual fosse a razão: estética, crença ou saúde.

            Foi então que li um livro do polêmico filósofo australiano Peter Singer que chamava a atenção para o dilema ético da alimentação de proteína animal e o sofrimento dos animais criados para o abate.1 Na época (ainda antes dos meus 30 anos), tomei minha primeira decisão acerca do tema: nunca mais comeria carne de vitela!

            Também nunca fui tão preocupado com estética. No máximo, quando solteiro, cheguei a frequentar a academia com maior assiduidade para manter o abdómen levemente torneado (as veleidades de moçoilo), mas nem foi necessário fechar a boca haja vista que sobrava energia e o metabolismo ainda ajudava…

            A questão estava longe ganhar notoriedade mesmo depois dos trinta. Após os 5 primeiros anos de casado, com filha para criar, trabalhando e ainda estudando como nunca, claro que você sempre acaba encontrando breves momentos de prazer na comida: aquela picanha maturada na sexta à noite, pizza portuguesa aos sábados e, claro, uma bela feijoada no domingo para arrematar a semana!

            Então, pela primeira vez, recebi recomendações médicas para atentar mais para o peso e manter sob controle o colesterol, triglicérides, etc. Até aí nenhuma novidade. Faz-se como 99,9% das pessoas: corta-se o açúcar, tranca-se o congelador e começa-se, sofrivelmente, a praticar alguma atividade física, mesmo que esporádica.

            Só percebi realmente algo diferente quando estava à beira de um ataque de estresse e resolvi fazer um retiro espiritual nas montanhas para aprender meditação, mais especificamente raja yoga. Foram dois dias de reflexão, em que aprendi não apenas a meditar, mas também a preocupar-me mais com o que entra pela boca, não pela ótica científica das interações bioquímicas dos nutrientes e seus efeitos fisiológicos, mas sim pela análise de coerência com nossas crenças e seus efeitos sobre os pensamentos. Eis aí a quebra de paradigma! Vejamos uma argumentação bem simples.

            Se sou um ser consciente, em contínua evolução através da interação construtiva com outras consciências, independente de raça, credo ou quaisquer pré-julgamentos, como posso então alimentar-me de carne de origem animal, sabendo (ou acreditando) que estes seres também são dotados de consciência, mesmo que em estágios considerados inferiores aos da espécie humana?

Pronto, se você concordou com esse primeiro raciocínio, então são muitas as perguntas sem respostas: por que, aos olhos do Criador, a consciência de uma vaca, uma leitoa ou um coelhinho silvestre seriam tão diferentes assim das nossas? Ou ainda: se comemos miúdos de galinha, por que não comeríamos miúdos de carne humana?! O Dr. Lecter, de Silêncio dos Inocentes, certamente não era vegetariano…

            Foi assim que, aos 36 anos de idade, decidi não comer mais regularmente carne de origem animal. No início me alimentava, por vezes, de camarão e alguns crustáceos que julgava apresentarem consciências num estágio rudimentar, ou seja, teriam uma tênue ligação com o plano físico e não sofreriam tanto com a morte. No entanto, mais recentemente descobri pela ciência que até mesmo o octupus apresenta um sofisticado sistema sensorial.2

Não me tornei um vegetariano convicto. Longe disso. Digo que sou um vegetariano sem vergonha! Após manter a disciplina por alguns anos, decidi levar a coisa mais suave. Seja com a família, ou amigos, sempre abro honrosas exceções…  Meu objetivo é poupar sei lá: umas 15 vaquinhas, uns 5 porquinhos e umas 70 galinhas até o final dessa minha vida.

Não aboli ovo, nem leite e seus derivados que, a propósito, são extremamente nutritivos e não recomendo que faltem em nossa dieta diária. De qualquer forma, respeito a opção tanto dos carnívoros quanto dos veganos. A sabedoria sempre reside no equilíbrio, independente de como o tenha alcançado.

           A coisa se torna premente quando se trata do direito animal. Sou a favor do movimento em defesa dos animais e também penso que está mais do que na hora de incorporamos leis de proteção severas a este respeito no código civil. É preciso evitar que estas consciências animais sofram durante o abate que é algo brutal, independente do método.

Créditos:

Autoria por Ricardo Barreto

Da obra no prelo VALOR: desvendando conceitos e quebrando mitos

VOLUME II – CULTURA DE VALOR: aforismos para uma vida plena

Saiba mais:

1. Peter Singer, Vida Ética, Ediouro: São Paulo, 1a ed., 2002.

2. Birch, Jonayhan et al. Dimensions of Animal Consciousness, Trends in Cognitive Sciences, October, 2020